TEPe explora os cruzamentos bidireccionais entre arte e tecno-ciência, a partir do conceito agregador de performance, sobre dois vectores principais: investigação de sonoridades, e pesquisa e criação de micro-paisagens. Estes dois vectores cruzam-se a duas escalas - a do corpo e a da cidade - potenciadas através da investigação artística e tecnológica.

 O projecto acontece em duas metrópoles: Lisboa em Portugal, e Fortaleza no Brasil.

A investigação visa estudar os modo como os corpos em movimento se inscrevem nos percursos urbanos.
TEPe pretende contribuir assim para:

  • A qualificação e transformação dos quotidianos dos cidadãos, proporcionando a desaceleração e a transformação dos ritmos urbanos.
  • O estímulo para novas sonoridades (incluindo o silêncio), a criação de episódios performativos e a sua inscrição em narrativas individuais e colectivas, suscitando uma renovada experiência dos lugares.
  • A valorização da cultura, das artes e do património colectivo, para um sentido renovado de pertença à comunidade e, por conseguinte, para a coesão social.
  • A investigação da relação entre património cultural material e imaterial, assumindo as tensões entre o tangível e o intangível, entre as tradições históricas e os efeitos da globalização, entre o passado e o presente.
  • O desenvolvimento de procedimentos arquivísticos que lidam com objectos transitórios.

 

Coordenação (PT)

Daniel Tércio (Investigador Principal)

Jonas Runa (co-Investigador Principal)

 

Coordenação (BR)

Leonel Brum (IP)

 

Financiamento

Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT)

PTDC/ART-PER/31263/2017

Prazo de execução: 1 de Outubro de 2018 a 30 de Setembro de 2021